O movimento Grito do Livro retomou as atividades de organização de acervos comunitários para favorecer o acesso à leitura nas ocupações de rua, que cresceram de forma descontrolada durante o período da pandemia de Covid-19.

Crianças estão presentes nas ocupações urbanas, sem acesso à escola e aos recursos virtuais, então, a chegada dos livros e gibis foi recebida com muito entusiasmo. Durante a entrega dos acervos, as famílias foram incentivadas à contar histórias e foram orientadas para os procedimentos de higienização dos livros após a leitura.

A retomada foi possível com a chegada de recursos da Lei Aldir Blanc, coordenada no Distrito Federal pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa, do Governo do Distrito Federal, que permitiram aquisição de materiais que estavam faltando e realinhamento dos colaboradores do coletivo Grito do Livro.